Selic: entenda o que é e como funciona

selic taxas
5 minutos para ler

Selic pode ser um termo bem conhecido quando o assunto é economia. Mas você sabe como ela impacta diariamente na sua vida? Se estiver pensando em comprar um imóvel, é ainda mais importante entender como a taxa funciona. Pensando nisso, separamos algumas informações essenciais para você.

No texto abaixo você vai saber:

O que é Selic
O que é Inflação
Como a Selic é definida
O que faz a Selic subir e descer?
O impacto na economia
Mas e o mercado imobiliário
Como investir em imóveis com a Selic em alta?

O que é Selic

A Selic nada mais é do que uma taxa de juros na economia. Seu nome vem da sigla do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia. Este índice é utilizado pelo Banco Central (BC) para controlar a inflação, ou seja, controle da emissão, venda e compra de títulos.

Ela define todas as taxas de juros do país. Isso inclui empréstimos, financiamentos e outras operações financeiras, como compra de produtos e serviços. O Banco Central é o responsável pelo controle e alinhamento das metas de taxas.

Antes de seguirmos, existe um ponto fundamental que você precisa compreender: inflação.

O que é inflação?

A inflação refere-se ao aumento dos produtos e serviços. Dessa forma, ela implica diretamente no poder de compra. Na prática funciona da seguinte maneira: quando notamos que um item está com o valor mais alto, isso significa que a economia inflacionou.

E isso é bom ou ruim? Normalmente, esse processo não deve ser prejudicial ao consumidor. Isso acontece porque os reajustes no salário-mínimo, por exemplo, acompanham o aumento da inflação.

No entanto, isso pode se tornar um problema quando a inflação aumenta em níveis maiores do que o previsto e mais rápido do que esperado. Afinal, os reajustes de salário levam mais tempo para acontecer.

Como a Selic é definida

A Selic é definida pelo Comitê de Política Monetária, o Copom. O órgão é formado pelo Presidente e diretores do BC. A cada 45 dias, a comissão se reúne em uma reunião para determinar como serão as taxas. Anualmente, são feitas oito encontros para discutir o rumo da economia do país.

Entretanto, existe uma série de fatores para considerar a decisão do comitê. Entres eles estão, inflação, contas públicas, atividade econômica e cenário externo.

O que faz a Selic subir e descer?

Após o Copom estabelecer as metas da Selic, o Banco Central precisa controlar as taxas para que se mantenham naquele patamar.

Isso acontece no que é chamado de “Mercado Aberto”. Nele, o BC vende títulos públicos federais diariamente, reduzindo ou aumentando o valor. Vale lembrar que esses títulos são emitidos pelo Governo, por meio do Tesouro Nacional, com a finalidade de captar recursos para investimento de atividades públicas.

Complicou demais? Em outras palavras, funciona assim: se o BC quer que as taxas subam, ele vende títulos para os bancos. Isso puxa os preços para baixo, ou seja, aumenta a chance de retorno no futuro.

Do mesmo modo, se o BC quer que as taxas abaixem, ele compra esses títulos. Isso eleva o preço das compras e, consequentemente, diminui a chance de retorno no futuro.

O impacto na economia

A Selic é uma ferramenta para controlar os recursos em circulação. Em outras palavras, quando os preços aumentam, a Selic é elevada. Consequentemente, tudo fica mais caro. Isso acontece tanto para os consumidores quanto para investidores, empresas e, inclusive, o próprio governo. Dessa maneira, o consumo é desestimulado. A ideia é controlar os preços e reduzir a inflação.

Por outro lado, a redução da Selic tem como intenção aquecer a economia. Ou seja, estimular o consumo. Sendo assim, as pessoas tendem a comprar e o mercado a investir.

A Selic em alta diminui o capital em circulação no país, o que, por sua vez, limita a inflação. Por outro lado, se os juros estiverem muito baixos a tendência é que aumente a disponibilidade do capital e, por isso, os preços aumentem.

Mas e o mercado imobiliário?

Como você pôde ver acima, a Selic tem impacto direto na economia. De maneira idêntica, isso também influencia o mercado imobiliário.

Quando a Selic está em baixa, o crédito fica mais acessível porque os bancos se sentem seguros para diminuir a taxa de juros. Consequentemente, haverá uma queda em taxas de financiamento de imóvel. Dessa maneira, as chances de adquirir um imóvel são maiores e o mercado fica aquecido.

Em contrapartida, se a Selic estiver alta, os juros de crédito, parcelamento e financiamento se tornam mais caros. Isso diminui a procura e, eventualmente, os preços.

Selic

Como investir em imóveis com a Selic em alta?

Vale a pena investir em um imóvel com a Selic em alta? Sim. Apesar do aumento da Selic, as taxas de juros de financiamento imobiliário seguem baixas. Por isso, esse é o momento ideal para financiar ou comprar à vista seu imóvel.

Historicamente falando, o aumento da Selic não impacta instantaneamente nos créditos imobiliários. Isso se deve ao spread bancário, ou seja, os bancos possuem margem para fazer reajustes na definição das taxas.

Como você acompanhou a gente até aqui, deve ter constatado que a Selic em alta é favorável para investimentos. Mas e se você quiser pagar à vista? Esse também é o momento! Afinal, a taxa elevada pode resultar em uma diminuição de preços para estimular as vendas.

Gostou do conteúdo? Para acompanhar mais, siga a Desenrola no Instagram e Facebook.

Você também pode gostar

Deixe um comentário