IGPM: entenda como é calculado o reajuste do aluguel

IGPM: entenda como é calculado o reajuste do aluguel
6 minutos para ler

Se você aluga imóveis ou vem olhando um para morar, é crucial entender o Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) e como é calculado o reajuste do aluguel.

Afinal, é dessa forma que se pode verificar se o preço praticado está acima ou abaixo do mercado. Tanto para quem investe em imóveis, quanto para quem está buscando um para residir, tal discernimento é crucial para fazer ambas as coisas da forma correta.

Nesse post, vamos destrinchar em detalhes o que é o IGPM e de que forma você pode calculá-lo no reajuste de aluguel. Se quer entender melhor como isso funciona, continue lendo e aprenda com as informações a seguir.

O que é o Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) e por que ele é utilizado?

É bom esclarecer desde já que o Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) é um parâmetro amplamente utilizado pelo mercado mas que foi desenvolvido de forma independente, ou seja, nunca esteve atrelado ao governo federal. A Fundação Getúlio Vargas, uma das instituições de pesquisa e estudo de maior referência no país, é a responsável pelos cálculos relativos a esse índice. O IGPM passou a ser referência desde maio de 1989 quando a Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF) solicitou o desenvolvimento de tal parâmetro.

Mais do que simplesmente o cálculo de reajuste de aluguel, o IGPM é utilizado também para contratos diversos como energia elétrica, mensalidades escolares e universitárias, preços de imóveis e planos de saúde. É um parâmetro bastante útil para o mercado devido à sua abrangência e a forma como é aplicado.

O IGPM é mensurado entre os dias 21 do mês vigente até dia 20 do próximo, sendo bastante exato nos quesitos que leva em conta. Isso gera confiança e credibilidade para os mais diversos ramos na utilização desse índice como acontece no ramo imobiliário.

Do que o IGPM é composto e qual o impacto de cada índice?

Bom, agora que você já entende o que é o IGPM e por que ele é utilizado, é chegada a hora de entender do que esse parâmetro é composto e qual o impacto de cada índice que faz parte dele. Abaixo, detalhamos melhor como isso funciona. Prossiga com a leitura para aprender mais!

IPA-M

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) representa 60% do valor do IGPM. Nele estão contidos diversos setores da produção econômica do país:

  • produtos agropecuários;
  • produtos da indústria extrativa como carvão, minério e demais minerais metálicos ou não;
  • produtos da indústria de transformação como alimentos, bebidas, produtos químicos, dentre outros;
  • bens finais como combustíveis e máquinas;
  • bens intermediários como produtos relativos à manufatura;
  • matérias-primas.

Sua abrangência maior se deve ao impacto econômico que alcança, passando por transações comerciais diversas desde a indústria até o consumidor comum. Por meio dele se consegue ter uma boa ideia de quanto será o valor final do IGPM dentro um determinado período.

IPC-M

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) é o segundo maior peso no cálculo, já que é responsável por 30% do valor final do IGPM. O IPC tem a especificidade de ter como referência 7 capitais brasileiras, sendo elas: Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Em seu cálculo é levado em conta aspectos diretamente ligados ao consumo de bens e serviços por parte do consumidor como:

  • alimentação;
  • saúde e cuidados pessoais;
  • educação, recreação e leitura;
  • transportes;
  • comunicação;
  • vestuário;
  • demais despesas.

O público avaliado nesse índice é relativo às pessoas que ganham de 1 a 33 salários mínimos. Isso serve para dar uma visão geral do padrão de consumo no país e garantir que a média da população esteja bem representada no IGPM.

INCC-M

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC) é o menor valor no IGPM, sendo responsável apenas por 10% do cálculo total. Ele também é calculado nas 7 capitais brasileiras citadas anteriormente e leva em conta a evolução dos custos gerais relativos ao desenvolvimento da construção civil no país. São dois os principais itens considerados, sendo basicamente mão-de-obra e materiais, equipamentos e serviços.

Como calcular o reajuste do aluguel?

Como você bem deve saber, o reajuste de aluguel costuma acontecer a cada virada do ano no contrato. Portanto, esse é o momento no qual você deve estar atento ao valor do IGPM praticado no período a fim de cobrar ou pagar (no caso dos inquilinos), um preço justo pela moradia.

Por exemplo, segundo dados da própria Fundação Getúlio Vargas que é responsável pelo cálculo, em agosto de 2019 houve deflação do índice que caiu 0,67%. Com essa queda, o valor para os últimos 12 meses chegou a um total de 4,95%. Se o seu aluguel é de R$1.200,00, então a nova cobrança será de 1.200 x 1,0495 = 1.259,40. Esse é o valor que pode ser cobrado para os próximos 12 meses até a próxima renovação.

Entender isso em detalhes traz praticidade e eficácia tanto para quem cobra, quanto quem paga aluguel. Infelizmente, desentendimentos são comuns quando não se tem clareza do quanto cobrar ou pagar por um aluguel e nem qual a melhor forma de se fazer isso. Agindo dentro das boas práticas do mercado se é possível agir de forma segura e evitar desgastes interpessoais ou até mesmo questões legais entre proprietários e inquilinos.

Obviamente, quem realmente quer ter tranquilidade nessas horas e se livrar de uma preocupação a mais na cabeça, deixa essa tarefa na mão de uma imobiliária que tem todo o know how e prática diária com tal questão. Muitas vezes, no desejo de economizar, alguns proprietários evitam esse serviço e acabam se complicando mais à frente. Não vá por esse caminho e aproveite dessa facilidade que o mercado imobiliário pode te oferecer.

Como pode ver, não é nada complicado compreender como parâmetros financeiros afetam o valor do aluguel e qual a melhor forma de calculá-lo. Agora que tem as informações certas, aproveite para aprimorar a forma como tem feito isso.

Se gostou de saber como é calculado o reajuste de aluguel a partir do IGPM, entenda também como colocar o imóvel para alugar.

Você também pode gostar

Deixe um comentário